Programa dedicado ao cinema português em Oberhausen

13 Maio 2020

Portugal será o foco de um dos programas da 66ª edição do Festival Oberhausen que este ano, devido à Covid-19, terão o festival a decorrer online na sua plataforma, a partir do dia 13 até 18 de maio.

Country Focus” é a nova secção anual proposta pelo festival e o primeiro foco é feito a Portugal. O programa “Ten Years of an Exploratory Cinema” serve de apresentação às produções atuais de curtas-metragens nacionais, sendo Miguel Valverde responsável por essa curadoria, o qual dividiu o programa em três partes: “Future is Present”, “Strange is Fine” e “All about Us”.

Na lista de curtas-metragens estão “Ao Lobo da Madragoa” de Pedro Bastos, “Um Campo de Aviação” de Joana Pimenta, “Où En-Êtes Vous João Pedro Rodrigues?” de João Pedro Rodrigues, “O Que Arde Cura” de João Rui Guerra Da Mata e “Infinito” de André Santos e Marco Leão. Esta seleção de curtas-metragens será disponibilizada no segundo dia do festival (14 de maio) até dia 16 (sábado).

O festival, face às adversidades a nível mundial, decidiu manter-se fiel “à estrutura do festival e apresentar os filmes nos programas para os quais foram escolhidos”, comprometendo-se com a apresentação de um novo programa a cada dia, mantendo-os visíveis durante 48 horas, para que os públicos de diferentes fusos horários tenham a oportunidade de os ver. O passe para o festival tem o preço de 9,99€ e dá acesso a todos os programas que oferecem mais de 350 filmes.

Ao Lobo da Madragoa” de Pedro Bastos, produzido em 2012 por Rodrigo Areias (Fundação Cidade de Guimarães), é uma homenagem ao poeta vimaranense António Lobo de Carvalho, pela voz de Adolfo Luxúria Canibal.  “Um Campo de Aviação” de Joana Pimenta, produzido pela Terratreme Filmes, recebeu o Grande Prémio no Festival Internacional de Cine Documental y Cortometraje de Bilbao, em 2016. “Où En-Êtes Vous João Pedro Rodrigues?” de João Pedro Rodrigues, premiado como “Melhor Filme da Competição Nacional” no Curtas Vila do Conde 2017, o filme “é um passeio pelas margens geladas do lago Walden, em Concord, na Nova Inglaterra, vila onde Henry David Thoreau e Nathaniel Hawthorne se olham em silêncio debaixo da neve no cemitério de Sleepy Hollow.”  “O Que Arde Cura”, curta-metragem realizada em 2012 por João Rui Guerra da Mata, a qual recebeu o prémio de “Melhor Realização” no Bucharest International Experimental Film Festival, retrata a madrugada em que o Chiado arde. “Infinito” de André Santos e Marco Leão realizada em 2011, com a produção da Ricochete Filmes e Love Department, aborda o silêncio, o tempo e o espaço.

Mais informações sobre o festival aqui

Alto Patrocínio

Apoio

Membro fundador